TRANSFORMAÇÃO

TRANSFORMAÇÃONilzagifsanimados_ Jardins e paisagismo

Maria Dolores

 

Desencantado, quanto à própria vida,

Resolvera, agitado,

Colocar todo escrúpulo de lado

E fazer-se suicida.

Caíra a noite muito fria E ele pensava:

De que lhe valeria

Tanta posse que, há muito, desfrutava?

De que lhe serviria

A bela moradia,

Tocada de supremo reconforto,

Se trazia no peito

O coração cansado e semi-morto?

Vivia desgostoso e insatisfeito…

A esposa o abandonara

Com sinais evidentes de loucura

E arrancara-lhe a filha

Que lhe era tão cara

Para o campo de sombra e de aventura…

Dizendo adeus aos mimos familiares,

Deixou o próprio carro e demandou a rua;

Queria caminhar com os seus próprios pesares

E seguiu, sob a noite fria e escura,

No intuito de alcançar antiga ponte,

De seu conhecimento,

Que se lhe erguia agora, em desafio

Para a liquidação de todo sofrimento

Ante a morte no rio…

Não havia avançado muitos metros,

Quando ouviu na calçada

A voz de pobre mãe agoniada:

– Senhor, salve meu filho,

Por amor a Jesus, e lhe rogo socorro…

Parou, vendo a mulher e a criança doente,

Tendo a pedra por leito e a marquise por forro…

Tateou o pequeno

Que lhe enviava o olhar quase sem brilho

E entendeu num instante

Que o menino lutava contra a morte,

Sob a pneumonia fulminante.

Cedeu farta moeda à mãe aflita

E depois de chamar por táxi vizinho,

Instalou mãe e filho com carinho

No carro que os levasse ao próximo hospital.

Que lhe importava agora o ouro da carteira,

Se admitia estar na hora derradeira?

Não dera muitos passos

E encontrou um ancião deitado a um canto,

 A lhe pedir em voz recortada de pranto:

  • Uma esmola, senhor! Um café que me aqueça!…

Deus lhe dará em dobro o bem que me fizer…

Entregou ao pedinte uma certa quantia

E ao notar-lhe a alegria,

Indagou espontâneo: – O Senhor tem família?

E o velhinho falou, de olhar vago e incomum:

  • Esse luxo, hoje em dia, não me cabe,

Não sei se o senhor sabe

Que um mendigo não tem parente algum.

E pondo-se de pé,

A erguer-se devagar,

Arrastou-se, pensando no café,

À procura de um bar…

O nosso companheiro

Continuou a caminhar;

Surgia a ponte à vista,

Mas na parte de cima havia muita gente

Dedicada ao lazer.

Ele, surpreendido e descontente,

Ágil, pôs-se a descer,

Buscando a solidão das grandes águas

Para a extinção de suas próprias mágoas…

Mas nisso, foi detido,

Por um colega conhecido

Que lhe informou com gentileza:

– Amigo, mais prudência,

Há sob a ponte enorme delinquência;

Dizem por aí por baixo há cenas revoltantes

De foragidos e assaltantes

E sei que sob a guarda de uma bruxa

Moram juntos aí, dois terríveis bandidos,

Claramente escondidos…

O interpelado agradeceu

E disfarçou dizendo estar ali somente

À busca de um parente.

Atingindo, porém, o local que buscava

Viu tristes mãos ao seio aconchegando

Criancinhas em bando

A chorarem com frio…

Já não mais contemplou a vastidão do rio

E passou a estudar

O apoio que lhes era necessário.

Examinando o ambiente

Divisou de repente

Um pequeno recanto solitário

Qual barraca formada de improviso…

Avançou para lá, mas tristonha senhora

Disse-lhe em alta voz:

– Senhor, não se aproxime!…

Ele obtemperou:

– Corre-se aqui o risco de algum crime?

A velhinha, no entanto, respondeu:

– Não, senhor!… É que eu

Tenho comigo aqui meus dois filhos leprosos,

Quis somente avisá-lo…

O senhor, entretanto, pode vê-los.

Ele fitou os jovens deformados,

As feridas em sangue entre os cabelos,

A pele em chaga, as magras mãos

A sorrirem na prova que sem dedos os feria

Demonstrando, decerto,

A valorização da própria luta,

No fel do dia-a-dia.

“Ah!…”

– refletiu – “seriam eles Os estranhos segredos

Que se ocultavam sob a ponte antiga,

Ante os cuidados da mendiga…”

Ao sentir, de tão perto, o sofrimento,

Mudou-se-lhe, de chofre, o pensamento…

Medita, sob a angústia que o invade:

“Por que morrer, chorando a esposa e a filha,

Se elas duas

Apenas lhe pediam a liberdade?

Por que aniquilar-se, inutilmente,

Se podia amparar a tanta gente?

Por que menosprezar a vida alheia?”

Então, ajoelhou-se sob a areia,

Orando a soluçar…

O rio parecia acompanhar

Os gemidos que o homem desferia…

E, como a expulsar de si, em tremenda agonia,

A própria dor que atingira apogeus,

Relegou o suicídio às sombras do passado

E gritou, renovado:

– Obrigado, meu Deus!…

Livro: “Caminhos do Amor” – Psicografia: Francisco Cândido Xavier – Pelo Espírito Maria Dolores – Página 25

 

Cadastre em nosso Canal do Youtube – Gênese

banner4

https://www.youtube.com/c/Gênesewebcanalespírita – compartilhe com amigos e espalhe o Bem.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.