AS PORTAS CELESTES

As Portas CelestesDesain photography.jpg

 

Irmão X

 

 

 

O grupo de desencarnados errava nas esferas inferiores. Integravam-no alguns cristãos de escolas diversas, estranhando a indiferença do Céu…

 

Onde os Anjos e Tronos, os Arcanjos e Gênios do paraíso, que não se aprestavam para recebê-los?

 

Em torno, sempre a neblina espessa, a penumbra indefinível. Onde o refúgio da paz, o asilo de recompensa?

 

Longos dias de aflição, em jornadas angustiosas…

 

Depois da surpresa, a revolta; após a revolta, a queixa. Finda a queixa, veio o sofrimento construtivo e com esse surgiu a prece.

 

Em seguida à oração, eis que aparece a resposta. Iluminado mensageiro, em vestidura resplandecente, desafia a sombra da planície, fazendo-se visível em alto cume.

 

Prosternam-se os peregrinos à pressa. Seria o próprio Jesus? Não seria?

 

Ante a perturbação que os acometera, o emissário tomou a palavra e esclareceu, fraterno:

 

  • Paz em nome do Senhor, a quem endereçastes vosso apelo. Vossas súplicas foram ouvidas.

 

Que desejais?

 

  • Anjo celeste – falou um deles –, pois não vês?!… Estamos rotos, exaustos, vencidos, nós, que fomos crentes fervorosos no mundo. Onde se encontra o Redentor que não nos salva, o Príncipe da Luz, que nos deixa em plena treva? Que desejamos? nada mais que o prêmio da luta…

 

Não pôde prosseguir. Ondas de lágrimas invadiram-lhe os olhos, sufocando-lhe a garganta e contagiando os companheiros que se desfizeram em pranto dorido.

 

O preposto do Cristo, contudo, manteve-se imperturbável e considerou:

 

  • A Justiça Divina nunca falhou no Universo.

 

  • Ah! mas nós sofremos – replicou o interlocutor aliviado – e certamente somos vítimas de algum esquecimento que esperamos seja reparado.

 

O ministro de Jesus não se deixou impressionar e voltou a dizer:

 

  • Respondei-me em sã consciência:

 

Quando encarnados, amastes a Deus, sobre todas as coisas, com toda a alma e entendimento?

 

Se estivessem à frente de autoridade comum, provavelmente os interpelados buscariam tergiversar, fugindo à verdade. A luz divina do emissário, porém, penetrava-lhes o âmago do ser. Decorrido um instante de pesada expectação, informaram todos a um só tempo:

 

  • Não.

 

  • Considerastes os interesses do próximo como se vos pertencessem?

 

Novo momento de luta íntima e nova resposta sincera:

 

  • Não.

 

  • Negastes a personalidade egoística, suportastes vossa cruz e seguistes o Mestre?

 

  • Não.

 

  • Colocastes a Vontade Divina acima de vossos desejos?

 

  • Não.

 

  • Fizestes brilhar em vós, na Terra, a luz que o Céu vos conferiu?

 

  • Não.

 

  • Auxiliastes vossos inimigos, orastes pelos que vos perseguiram, ministrastes o bem aos que vos caluniaram e dilaceraram?

 

  • Não.

 

  • Perdoastes setenta vezes sete vezes?

 

  • Não.

 

  • Fostes fiéis ao Pai até ao fim?

 

  • Não.

 

  • Vencestes os dragões da discórdia e da vaidade?

 

  • Não.

 

  • Carregastes as cargas uns dos outros?

 

  • Não.

 

O mensageiro fixou benevolente gesto com as mãos e, mostrando olhar mais doce, observou, depois de comprida pausa:

 

  • Se em dez das lições do Divino Mestre não aprendestes nenhuma, com que direito invocais o seu nome? Acreditais, porventura, que Ele nos tenha ensinado algo em vão?

 

Os infortunados puseram-se a chorar, com mais força, e um deles objetou :

 

  • Que será de nós? quem nos socorrerá, se tínhamos crença verdadeira?!…

 

  • Sim – tornou o representante do Cristo –, não contesto. Entretanto, como interpretar o possuidor do bom livro que nunca lhe examinou as páginas? Como definir o aluno que gastou possibilidades e tempo da escola, sem jamais aplicar as lições no terreno prático?

 

  • Oh! anjo bom, contudo, nós já morremos na Terra!… – acrescentou a voz triste do irmão desencantado, entre a aflição e a amargura.

 

O mensageiro, porém, rematou com serenidade:

 

– Diariamente, milhões de almas humanas abandonam a carne e tornam a ela, no aprendizado da verdadeira vida. Quem morre no mundo grosseiro perde apenas a forma efêmera. O que importa no plano espiritual não é o “interromper” ou o “recomeçar” da experiência e, sim, a iluminação duradoura para a vida imortal. Não percais tempo, buscando novos programas, quando nem mesmo iniciastes a execução dos velhos ensinamentos. Aprendiz algum tem o direito de invocar a presença do Mestre, de novo, antes de atender as lições anteriormente indicadas. Voltai e aprendei! Não existe outro caminho para a distração voluntária.

 

Nesse mesmo instante, o enviado tornou ao plano de onde viera, enquanto os peregrinos, ao invés de prosseguirem viagem para mais alto, obedeciam ao impulso irresistível que os conduzia para mais baixo

Livro: “Pontos e Contos” – Psicografia: Francisco Cândido Xavier – Pelo Espírito Irmão X – Lição03

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.