Razão e Fé

 

Razão e Féfé

Martins Peralva

E disse-lhe: Sai da tua terra e da tua parentela, e vem para a terra que eu te mostrarei.

 

Merece consideração a passagem em epígrafe, relembrada pelo jovem Estevão — primeiro Mártir do Cristianismo — ao comparecer ante o Sinédrio, o poderoso tribunal israelita.

Sublinhemos as palavras tua terra — tua parentela e, por fim, a terra que eu te mostrarei.

Meditemos, pois.

O patriarca Abraão vivia, na terra dos Caldeus, atento às atividades normais e rotineiras do campo, cuidando de seus rebanhos de ovelhas, bois e jumentos.

Vivia preso à sua terra, vinculado à sua parentela. Era, por conseguinte, um homem circunscrito, limitado em seus objetivos, confinado em suas aspirações.

O Senhor, pela voz de Poderosas Entidades que se comunicavam pela voz direta — pneumatofonia, retira-o da Mesopotâmia para cumprimento, junto ao heroico povo hebreu, de elevada missão fraternalista.

Retira-o de sua terra, de sua parentela, de sua família, para confiar-lhe uma família maior, numerosa descendência, incontável como as estrelas: “Olha para o céu, e conta, se podes, as estrelas.” Depois, acrescentou:

“Assim será a tua descendência.”

Nenhuma força transformará o Cristianismo em “uma religião” formalista, convencional, subordinada a rituais, desvitalizada.

Ninguém lhe alterará a substância, a feição universalista, abrangente, eterna, divina.

O Cristianismo não cabe numa redoma.

Sendo a Religião do Amor, é, por conseguinte, a Religião Cósmica — eis que o Amor é a força que rege o Universo em todas as suas manifestações visíveis e invisíveis, objetivas e subjetivas.

Universo físico. Universo moral. Universo mental.

O Cristianismo nunca foi, não é, nem será, jamais, um movimento condicionado — familiar, grupal, racial.

Nem mesmo planetário.

A sua essência oloriza não só a Terra — mundo onde a Divina Bondade nos situou, presentemente.

Não exerce sua influência, apenas, nos orbes que gravitam em torno do Sol.

O Cristianismo — Filosofia do Amor Universal — aromatiza e vivifica os bilhões de planetas que rolam no Infinito de Deus.

 

* * *

 

O Pai Celestial, pela voz de Seus iluminados Servidores, do plano extrafísico principalmente, vem, com ternura, desde os primórdios das humanidades, procurando dilatar o nosso entendimento.

 

 

 

Ampliar a nossa capacidade efetiva. Despertar-nos para o altruísmo.

Libertar-nos, enfim, dos acanhados preconceitos de família, grupo, crença, raça.

À maneira do velho Abraão, o homem terrestre precisa deixar a sua terra, a sua parentela, e integrar-se na grande família universal.

Tão grande, tão numerosa quanto as estrelas que refulgem nas constelações distantes, que não podem ser contadas.

O homem que deixa, subjetivamente, filosoficamente, mentalmente, a sua terra, a sua parentela, não as repudia, como pode parecer.

Longe disso.

Estima-as com a mesma intensidade com que estima outras terras e outras gentes, porque sabe que o menor pedaço de terra e a criatura que nasceu no ponto mais distante do Globo pertencem — terra e criatura — a Deus, que é também o seu Criador.

Ama-as com a mesma pureza, o mesmo carinho com que ama a terra onde nasceu e seus compatriotas.

Ama-as sem quaisquer laivos de egoísmo.

Sabe que o povo mais humilde, como o mais civilizado, é filho de Deus quanto ele próprio aqui e em qualquer recanto do Universo.

Sabe, outrossim, que o habitante de Marte ou de Júpiter também é seu irmão, membro da grande família universal.

Assim como Deus indicou a Abraão outra terra, que seria o santuário da Primeira Revelação, o Templo da Segunda também nos mostra o abençoado rumo da fraternidade, preparando-nos a Inteligência para a Sabedoria.

O Coração — para o Amor.

A Alma Eterna — para a Luz que se não extingue.

 

* * *

 

Estevão é bem o símbolo do homem realizado, do homem que encontrou outra terra.

“… cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo.” “E não podiam sobrepor-se à sabedoria e ao espírito com que ele falava.” “Todos  os  que  estavam  assentados  no  Sinédrio,  fitando  os  olhos   em

Estêvão, viram o seu rosto como se fosse de anjo.”

Abraão simboliza o ontem da Humanidade, arrancada de sua terra e de sua parentela.

Estevão, inundado de amor evangélico, simboliza O amanhã da Humanidade, vivendo já noutra terra.

Abraão, numa demonstração de fé — da fé que não encara a razão face a face — ergue o cutelo contra Isaac, seu amado filho, para entregá-lo em holocausto.

É sem dúvida, o homem de ontem.

Estevão, sentenciado à morte, apedrejado, vertendo sangue por todo o corpo, o semblante esfacelado, confia-se, ele mesmo,  sereno, imperturbável, ao sacrifício.

É, sem dúvida, o homem de amanhã.

O primeiro, preserva a sua vida e entrega a do próprio filho; o segundo, entrega a própria vida para salvar a de muitos.

Estevão, fitando a Jesus, cujos olhos pousavam com amargura em   Saulo, roga compreensão para seu implacável verdugo: “Senhor, não lhe imputes este pecado.”

E quando sua extremosa irmã Abigail lhe apresenta o algoz por noivo, por depositário de suas juvenis esperanças, tem forças ainda para dizer: “Cristo os abençoe… Não tenho no teu noivo um inimigo, tenho um irmão… Saulo deve ser bom e generoso; defendeu Moisés até o fim… Quando conhecer a Jesus, servi-lo-á com o mesmo fervor… Sê para ele a companheira amorosa e fiel.”

Estevão simboliza, indubitavelmente, o homem do amanhã. Guarda no peito a fé iluminada pela razão.

Possui no cérebro a razão sublimada pela fé. “ … viram o seu rosto como se fosse de anjo.”

Livro: “ Estudando o Evangelho” –  Por Martins Peralva – Capítulo 34

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.