EURÍPEDES BARSANULFO – O APÓSTOLO DA CARIDADE

EURÍPEDES BARSANULFO – O APÓSTOLO DA CARIDADE

euripedes1

CASOS MEDIÚNICOS AUTÊNTICOS

A cura do bebê

Contou-nos Odilon José Ferreira (dentista e discípulo de Eurípedes Barsanulfo) que em 1908, transferira de Frutal para Sacramento sua família, trazendo um filho recém-nascido de nome João. O bebê chorava dia e noite e a mãe de Odilon descobriu que era devido ao fato de não urinar. Mas, porque o bebê não conseguia expelir a urina? Foi ele, então, levado à presença de Eurípedes Barsanulfo, que disse:

– Vamos à farmácia.

Foram. E o médium, depois de sentar-se, concentrou-se por breves segundos; e, sorridente, pegou o bisturi.

– O que vai fazer?

– É simples. Ele vai urinar, já.

E pediu à Jósia, irmã de Odilon, que despisse o bebê. Em seguida, deu um golpe rápido no prepúcio da criança e explicou:

– A uretra estava fechada por uma película. Em menos de um minuto ele vai urinar. Aguardemos.

E o bebê soltou a urina represada desde o primeiro dia de seu nascimento.

O espinho no olho

Chegara à porta do colégio Allan Kardec à procura de Eurípedes Barsanulfo um pobre lavrador com um espinho de macaúba enterrado no olho direito. Correu ao seu encontro o aluno Jerônimo Cândido Gomide, dizendo:

– Meu Deus! Como aconteceu isso?

– Eu estava no mato cerrado e não vi o pé de macaúba. Onde está “seu” Eurípedes?

– Venha comigo. Eu o ajudo a caminhar.

E o menino levou o infeliz lavrador ao jardim do colégio, onde o médium, sentado em um banco, parecia meditar…

– Professor, aqui está esse homem com um espinho no olho!

– Sente-se aqui, disse Eurípedes Barsanulfo. Hum… O caso é muito grave… Não é, apenas, o espinho; algumas farpas laterais estão, também, cravadas… O olho poderá vazar se eu puxar…

– Ah, meu Deus, que fazer? gemeu o lavrador, o sangue escorrendo em fios grossos pelo rosto.

– É o que veremos agora, respondeu o médium. Vamos os três para o salão do colégio.

E Subiram os degraus da escada. Eurípedes Barsanulfo, então, pegou lápis s papel, sentou-se e invocou o Dr. Bezerra de Menezes. Segundos depois, sua mão psicografava o seguinte recado: Pegue a pinça e puxe o espinho. Não há perigo de furar o olho. Haverá, apenas, nova hemorragia. Bezerra de Menezes. Mas, Eurípedes Barsanulfo não teve coragem… O olho poderia vazar…

E tornou, mentalmente, a interrogar o espírito. A resposta veio em outra folha de papel: Faça o que indiquei. Eurípedes Barsanulfo, então, obedeceu: pegou a pinça e puxou o espinho, o que ocasionou, como fora previsto, uma pequena hemorragia.

– Por essa eu não esperava! exclamou Jerônimo. Eu estava certo que o olho vazaria!

– O caso parecia difícil e, no entanto, foi tão fácil… O Dr. Bezerra que me desculpe, mas eu duvidei, também… Nós, neste mundo, temos muito o que aprender, “seu” Jerônimo.

Caso da dentadura

Certa vez, um casal desesperado entrara na farmácia de Eurípedes Barsanulfo.

– Moramos em Uberaba (disse a esposa) e meu marido, dias atrás, engasgou com a parte inferior da dentadura postiça e engoliu-a! Ela está parada na garganta e mal se pode vê-la. Os Médicos querem operá-lo. Ajude-nos, por favor!

O marido, ao lado, respirando com muita cautela, escancarou a boca e Eurípedes Barsanulfo espiou.

– Creio que a peça poderá ser retirada sem operação. Talvez, com uma pinça…

– Os médicos de Uberaba tentaram com vários instrumentos e não a moveram, sequer! Está encravada.

– Eu sei. Fique sossegada, minha senhora, e faça o seu esposo sentar-se nesta cadeira com a cabeça bem inclinada para trás.

E, Eurípedes Barsanulfo, auxiliado pelo espírito Dr. Bezerra de Menezes, com uma simples pinça de dentista retirou a malfadada dentadura, sem que tivesse o paciente acesso de tosse, ânsia e hemorragia!

Uma dramática premunição

O sr. Moisés Santana, advogado e aplaudido jornalista de Uberaba por seus artigos combativos, levara a esposa a diversos médicos, mas ela piorava de consultório em consultório. Resolveu, pois, ir a Sacramento solicitar uma receita mediúnica a Eurípedes Barsanulfo. Quando entrou na farmácia para entender-se com o médium encontrou, porém, os remédios já prontos. Eurípedes Barsanulfo, entretanto, disse-lhe:

– Antes dos remédios terminarem sua esposa estará curada, mas o senhor deve mudar-se de Uberaba, o quanto antes! Se não o fizer poderá ser assassinado.

– Por que me diz isso?

– Santo Agostinho está me pedindo para avisa-lo.

O jornalista regressou a Uberaba e deu os remédios à esposa. Ela curou-se, mas ele continuou na cidade e, duas semanas depois, foi assassinado pelo Dr. João Henrique, médico e deputado uberabense.

O aluno que queria ver para crer:

Abramos um parêntese para chamar a atenção do leitor para o seguinte fato. O corpo espiritual de Eurípedes Barsanulfo, quando liberto do corpo somático, embora agindo sobre a matéria nem sempre se tornara tangível. Vamos apresentar novos exemplos que não devem, pois (apressamo-nos a repetir) ser interpretados como clarividência. São casos de “desdobramento”. O próprio Eurípedes, aliás, assim os considerava.
Ora, Jerônimo Cândido Gomide, já com vinte e um anos de idade, tendo o físico robusto tornara-se enfermeiro dos obsidiados internados e zelador do Colégio Allan Kardec. Em certa manhã, viu ele o professor Eurípedes Barsanulfo sentado em uma cadeira em baixo do caramanchão florido do colégio e, julgando-o dormir, passou silencioso…

– Onde vai o senhor, pisando como um gato? Disse o médium.

– Estou pisando assim para não acordar o senhor.

– “Seu” Jerônimo, segundos atrás estive em espírito na casa de Dona Mariquinha, no Zagaia; a filhinha dela, que tinha crupe morreu, não faz um minuto. Dona Mariquinha está me xingando e blasfemando contra Deus e Jesus.

Jerônimo concordou com a cabeça, mas… Não acreditou. Se a menina ontem estava tão alegre! E, fingindo varrer o pátio, contornou o prédio e, sorrateiro, saiu à rua, correu em direção ao Zagaia e encontrou, realmente, a menina morta na cama e Dona Mariquinha, aos gritos, blasfemando. E regressou ao colégio; Eurípedes Barsanulfo continuava sentado na cadeira…

– Venha cá, “seu” Jerônimo. É como eu disse ou não?

– É, sim, senhor! Mas, como sabe que eu fui verificar?

– Acompanhei-o em espírito. Pois é! Não se pode impedir o desencarne. A menina tinha que abandonar a terra, mas a mãe nada compreende das coisas de Deus e blasfema. Quanto ao senhor, “seu” Jerônimo, é um Tomé: só acredita, vendo…

Fonte:
Retirados do livro: “EURÍPEDES BARSANULFO O APÓSTOLO DA CARIDADE” – Jorge Rizzini

 

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.